6/03/2008

Luis Fabiano não se preocupa com ‘rivais’


A sombra existe. O perigo é real. Mas o atacante Luís Fabiano não demonstra preocupação em relação à concorrência no setor mais cobiçado da seleção brasileira. Com a volta de Adriano ao grupo e a boa fase de Alexandre Pato, a vida ficou mais difícil para o jogador do Sevilha.

- Eu tenho mais coisas a mostrar para a seleção. Não me intimida o fato de ter grandes jogadores na posição. Eu tenho é de fazer o meu papel e mostrar o meu valor em cada partida - considerou o atacante.

Autor de um dos gols da vitória de 3 a 2 sobre o Canadá, no último sábado, em Seattle, Luís Fabiano garantiu não se sentir pressionado pela disputa da vaga:

- Não tenho peso nas costas. Independentemente de fazer gol ou não, você precisa jogar bem. A concorrência sempre vai existir, pois a seleção tem grandes jogadores.

Confiante na seleção, preparado para viver uma nova fase na Europa. Com a cidadania espanhola praticamente acertada, o ex-jogador do São Paulo espera agora ter a sua carreira na Europa definitivamente consolidada.

- Desde que eu cheguei no Porto (Portugal) já havia este interesse dos dirigentes. Quando me transferi para a Espanha isso só aumentou. Agora, o passaporte espanhol já saiu e, quando eu voltar, acredito que esteja tudo resolvido. Acredito que, com isso, eu me mantenha por mais tempo no exterior.

Volta pro SPFC Luis!!

4 comentários:

  1. o cara não precisa nem se preocupar po, ta jogando pra karalho!

    ResponderExcluir
  2. Oiii miga tudo bem, o Luis não precisa se preocupar realmente, ta jogando um bolão, melhor que aquele adriano, pato, sóbis, eu acho que ele tem que ficar no ataque sim...Bjs Fabianista!

    ResponderExcluir
  3. É complicado, não pelo talendo dele, pq ele tem de sobra, mas o complicado dda história é que o Dunga não gosta dele...lembra do jogo contra o Uruguai, olha so o que um blogueiro diz a respeito:

    Posso estar redondamente enganado, mas intuição é intuição. E a minha é a de que Dunga escalou Luís Fabiano contra o Uruguai, no Morumbi, sem acreditar plenamente do que o atacante seria capaz. Abusando da teimosia, em meu modo de ver, Dunga não jogava as fichas no jogador do Sevilla e muito menos “sonhava” em vê-lo como herói do duelo contra a seleção celeste. O técnico da seleção brasileira sabia muito bem de que as dificuldades contra os uruguaios seriam bem maiores do que as proporcionadas pelos equatorianos, no Maracanã. Luís Fabiano teve, de fato, de enfrentar marcadores de melhor qualidade, o que não lhe possibilitou muitas oportunidades.

    Apagado nos minutos iniciais da partida (o que é totalmente compreensível pela temperatura do jogo), Luís Fabiano se salvou de um possível “processo de fritura” ao marcar o gol aos 44 minutos. Dunga certamente queria o gol de empate ainda na etapa inicial, mas, provavelmente (enfatizo, provavelmente), ficaria bem mais feliz se esse tivesse sido anotado por Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Maicon, Gilberto, Juan... ou até por Júlio César. Acredito que a intenção de Dunga era tirar Luís Fabiano no intervalo. Assim, Luís Fabiano ficaria “queimado” na seleção e o treinador brasileiro ganharia mais motivos para convocar outras vezes Vágner Love e, principalmente, o questionado Afonso. Mas o oportunismo do camisa 9 revelado pela Ponte Preta e que teve ótima passagem pelo São Paulo impediu que Dunga agisse dessa maneira.

    Então, o treinador, que está bem longe de ser burro (como foi chamado algumas vezes no Cícero Pompeu de Toledo), ficou engessado e, com o empate, não pôde tirar Luís Fabiano. Dunga manteve o atacante na equipe. Melhor para ele próprio, melhor para Luís Fabiano e melhor, principalmente, para a seleção brasileira, que pode ter “conquistado” um grande goleador para a seqüência das Eliminatórias. A equipe comandada por Dunga venceu. Mas em outro duelo, o treinador perdeu. E o resultado foi: Luís Fabiano 2x0 Dunga.

    Romário 1993 x Luís Fabiano 2007

    Não quero comparar Luís Fabiano com Romário, mas Fabigol viveu na última quarta-feira um dia parecido com aquele vivido pelo Baixinho em 1993, quando o camisa 11 marcou dois gols contra o Uruguai, no Maracanã, na vitória brasileira por 2 a 0. Romário, na ocasião, jogou em casa (Maracanã) e tinha de provar em uma partida que tinha condições de continuar na seleção, sepultando de vez a teimosia da dupla Parreira e Zagallo em não lhe preferir. Luís Fabiano também jogou em casa (Morumbi), fez dois gols contra a seleção celeste (também) e “obrigou” Dunga a lhe dar mais oportunidades. Ah, Romário era do Barcelona, time espanhol como o Sevilla, de Luís Fabiano.


    ta vendo todo mundo sabe q o dunga é contra o Luis, o cara tem que fazer gol todo jogo pq senão o dunga vai tirar ele!

    flw

    ResponderExcluir
  4. sei não esse Edu ta enganado o luis ta jogando muito e o Dunga não vai ser tão burro assim de deixar ele no banco né?

    ResponderExcluir

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Siga-Nos!

Insta-Me!