5/31/2010

Luis Fabiano foi de aluno-problema a solução no ataque da seleção





31/05/2010 - Era difícil encontrá-lo nas salas de aula da Escola Estadual Professor José Vilagelin Neto, em Campinas. Mas bastava ir ao "Buracanã", um campinho de terra no bairro de Jardim Proença, para achar Biro. O apelido da infância veio por causa do cabelo enrolado, parecido com o do ex-jogador do Corinthians.

Luis Fabiano não foi um aluno exemplar. Foi reprovado duas vezes. Era levado, só arrumava confusão na colégio. Adjetivos não faltavam na ficha escolar: indisciplinado, mal-educado, brigão... Fala palavrão, furou a fila da merenda, brigou e bateu no Belarmino! Coitado do Belarmino, Luis...

- Era um pequeno meio esquentado (risos). Não gostava de levar desaforo para casa. Sempre arrumava confusão. Dei muito trabalho, sim! Inclusive na escola. Faltava muito para jogar bola. Minha mãe sempre era chamada na escola (risos) - lembra o atacante, em entrevista ao repórter Tino Marcos, da TV Globo.

Menino levado e bom de bola, Luis Fabiano é o 16ª personagem da série de reportagens especiais do Jornal Nacional sobre os 23 convocados pelo técnico Dunga para a Copa do Mundo de 2010.

O atacante nasceu no dia 8 de novembro de 1980, em Campinas. Momento difícil na família Clemente. Sem marido, Sandra iria criar o filho sozinha. Mas o avô Benedito assumiu a responsabilidade de cuidar do neto. Não tinha luxo, não tinha muitas regalias. Mas nunca faltou nada em casa.

Sandra trabalhava em uma escola de crianças. O avô era aposentado. Luis Fabiano era uma criança difícil. Não gostava de estudar, era esquentado. Só queria saber de jogar futebol.

- Era dar uma laranja para ele, que colocava no chão e saía chutando. Ele era um garoto com o futebol na veia mesmo. Era só bola, bola. Era fácil dar presente a ele. Só dar uma bola que ele ficava feliz, que estava legal. Nada de videogame. Ele só queria jogar bola. Estudar era na marra mesmo. Era só futebol, futebol, futebol - lembra o tio Paulo.

Luis Fabiano foi de aluno-problema a solução no ataque da seleção
Atacante tinha apelido inspirado em Biro-Biro e jogava em um campinho chamado de Buracanã.

Era difícil encontrá-lo nas salas de aula da Escola Estadual Professor José Vilagelin Neto, em Campinas. Mas bastava ir ao "Buracanã", um campinho de terra no bairro de Jardim Proença, para achar Biro. O apelido da infância veio por causa do cabelo enrolado, parecido com o do ex-jogador do Corinthians.

Luis Fabiano não foi um aluno exemplar. Foi reprovado duas vezes. Era levado, só arrumava confusão na colégio. Adjetivos não faltavam na ficha escolar: indisciplinado, mal-educado, brigão... Fala palavrão, furou a fila da merenda, brigou e bateu no Belarmino! Coitado do Belarmino, Luis...

- Era um pequeno meio esquentado (risos). Não gostava de levar desaforo para casa. Sempre arrumava confusão. Dei muito trabalho, sim! Inclusive na escola. Faltava muito para jogar bola. Minha mãe sempre era chamada na escola (risos) - lembra o atacante, em entrevista ao repórter Tino Marcos, da TV Globo.

Menino levado e bom de bola, Luis Fabiano é o 16ª personagem da série de reportagens especiais do Jornal Nacional sobre os 23 convocados pelo técnico Dunga para a Copa do Mundo de 2010.

O atacante nasceu no dia 8 de novembro de 1980, em Campinas. Momento difícil na família Clemente. Sem marido, Sandra iria criar o filho sozinha. Mas o avô Benedito assumiu a responsabilidade de cuidar do neto. Não tinha luxo, não tinha muitas regalias. Mas nunca faltou nada em casa.

Sandra trabalhava em uma escola de crianças. O avô era aposentado. Luis Fabiano era uma criança difícil. Não gostava de estudar, era esquentado. Só queria saber de jogar futebol.

- Era dar uma laranja para ele, que colocava no chão e saía chutando. Ele era um garoto com o futebol na veia mesmo. Era só bola, bola. Era fácil dar presente a ele. Só dar uma bola que ele ficava feliz, que estava legal. Nada de videogame. Ele só queria jogar bola. Estudar era na marra mesmo. Era só futebol, futebol, futebol - lembra o tio Paulo.


Luis Fabiano não saia de um campinho que havia perto de casa. Ele e os amigos até apelidaram o local. Um mistura de "buraco com Maracanã".

- É uma praça no alto e o campo fica lá, lá em baixo. Então a gente chamava de “Buracanã”. Foi onde tudo começou. Onde a gente batia as peladas em qualquer hora. Era um tempo bom porque eu não fazia nada. Só jogava bola, não tinha responsabilidade, não queria saber de nada. Foram tempos bons, mas com certeza hoje é melhor (risos). Hoje é maravilhoso - disse o atacante da seleção brasileira.

Criança, Luis Fabiano já participava de jogos na várzea com equipes amadoras como Alvorecer e Arco-íris. Atuava em outra posição: era meia-direita. As partidas do artilheiro eram sempre acompanhadas de perto pelo avô Benedito, o maior incentivador. Foi ele quem conseguiu um teste em 1994 no Guarani. O artilheiro tinha 14 anos. Passou. Mas só ficou um ano no clube. Acabou dispensado quando estava no infantil.

- Na troca de categoria fui dispensado. Era muita gente. O treinador chegou para mim e falou “tem muitos, não vai dar para você ficar”. Com 14 anos, eu me desanimei. Pensei, agora então vou ficar sem jogar - disse Luis Fabiano.

- Criança, moleque, era meio complicado. Ele não tinha noção de que precisava treinar a parte física também. Ele só queria saber de jogar bola. Quando tinha treino físico ele não ia (para o Guarani). A molecada chamava para bater uma pelada no campinho "de não sei aonde" e ele ia. Aí o pessoal do Guarani pensou que ele não servia e foi dispensado - conta o tio Paulo.

Fora do Guarani, Luis Fabiano desanimou. Seu Ditão então arrumou um trabalho para o neto em uma oficina de carros no bairro. O dono era um velho amigo da família. Mas não deu muito certo. Era passar um garoto pela rua e chamar para "uma bolinha", que o Fabuloso arrumava uma desculpa, saia do trabalho e só voltava no fim do dia. Dois meses depois, o avô de Luis Fabiano foi surpreendido certo dia na rua...

- Passou um tempo e o meu pai cruzou com esse amigo na rua. Ele deu um tapa nas costas dele e falou “Ditão, vou dar um conselho para você. Você é muito meu amigo, legal, seu neto é gente boa, mas deixa o moleque jogar bola porque, para trabalhar... pode esquecer” - lembra o tio Paulo.

Luis Fabiano tentou também a vida como auxiliar na carga e descarga de caminhões.

- O pai de um amigo tinha vários caminhões e de vez enquanto ele buscava alguém para ajudá-lo. E como eu não fazia nada, eu sempre falava “eu vou com você”. A gente ia para o Seasa, carregava o caminhão, e levava para o supermercado em São Paulo. Para mim, com 15 para 16 anos, era uma festa fazer isso. Andava de caminhão e ainda ganhava dinheiro.

No final de 1995, surgiu uma nova oportunidade de voltar aos gramados por meio de um convite de um amigo que jogava na equipe juvenil do Ituano. Luis Fabiano passou no teste e, um ano depois, transferiu-se para a Ponte Preta, realizando um sonho antigo do seu avô que era torcedor fanático do clube.

- Quando eu cheguei na Ponte Preta me colocaram como centroavante. Falaram que eu tinha mais o biótipo. Alto, forte. E na Ponte Preta que comecei a fazer muitos gols. E aí falei: “é aqui o meu lugar”. Achei o meu lugar.


Seu Ditão faleceu em setembro de 2000. Não chegou a ver o neto vestir a camisa da seleção brasileira. Mas teve a alegria de torcer por ele na Ponte Preta e de fazer uma viagem até a França.

- Ele sempre esteve ao meu lado, me apoiando, nos momentos difíceis. Ele era o meu fã número 1, andava com os recordes de jornal no bolso. Eu tive a alegria de levá-lo para a França quando fui jogar no Rennes. Essa foi a maior alegria dele. Ir a Rennes e assinar o contrato junto comigo com um time europeu. Ele que sempre apostou em mim. Ele era bastante disciplinador, muito duro. Não gostava de me ver brigando, não gostava de confusão. Ele praticamente foi o meu pai. Gostaria de ganhar a Copa para homenageá-lo.

Luis Fabiano não conviveu com o pai. E prefere manter a distância. O atacante olha com orgulho para a mãe, que o criou com muito sacrifício.

- Minha mãe sempre foi uma guerreira. Sempre batalhou para dar o melhor para a gente. E hoje ela pode depois de muito trabalho e sofrimento desfrutar de tudo isso que eu venho passando. De ter uma condição melhor para viver.

No São Paulo, a carreira do atacante explodiu. Com apenas 23 anos, Luis Fabiano tornou-se um dos maiores artilheiros da história do clube. Com 118 gols em 160 partidas, o jogador possui a segunda maior média (0,74 por jogo), atrás apenas de Arthur Friendereich.

A fase mais difícil da vida de Luis Fabiano foi em 2004. A mãe do atacante foi sequestrada em Campinas. Foram dois meses de poucas informações e muita apreensão.


Foi um momento muito difícil onde eu estava no Porto tentando encontrar a minha melhor forma, o meu melhor momento dentro do clube e veio esta notícia ruim. Em um primeiro momento fiquei desesperado querendo ir embora para o Brasil. Mas depois de muitas conversas (com policiais) achei melhor ficar na Europa mesmo e continuar a minha vida. Foi muito difícil, sem notícias, do outro lado do mundo. Meu tio teve que sair do trabalho, minha família teve que mudar a rotina de vida. Foi um momento muito difícil, mas deu tudo certo. Não aconteceu nenhuma tragédia. Foram dois meses de muita angústia.

Mas os problemas ficaram no passado. Depois que se tornou pai de Giovana e Gabriela, o atacante passou a se controlar mais em campo. A fase de bad boy ficou para trás. E o sonho de disputar uma Copa do Mundo finalmente chegou.

- Não é mole. Se olhar, nos últimos dez anos os atacantes da seleção foram os melhores do mundo. Romário, Ronaldo, Careca... É uma posição que é muito cobrada. Você tem que sempre dar conta do recado. Mas eu me sinto preparado para tudo isso. Acho que tenho condições de dar alegria e ajudar a seleção na Copa. Batalhei muito para chegar até aqui. Fiz de tudo o possível para conquistar o meu espaço dentro da seleção. São dois anos de muitas alegrias, muitos gols, de quebras de tabu, de títulos.

Luis Fabiano disputou 36 partidas pela seleção brasileira e marcou 25 gols. Campeão da Copa América em 2004 e da Copa das Confederações em 2009, o atacante é o artilheiro da Era Dunga com 19 gols em 24 jogos. Ganhou até um rap embalado pela boa fase. A letra, o atacante sabe de cor: "Prazer, eu sou Luis Fabiano / Faço gol, meto gol e continuo lutando / Prazer, prazer, sou Luis Fabiano / Faço gol, meto gol e continuo lutando".



Saudações Fabianistas

Luis Fabiano, o nosso camisa 9


31/05/2010 - Desde 1994 era assim: Ronaldo estava na lista dos convocados. Há mais de 15 anos que a camisa 9 da seleção brasileira era reconhecida no mundo inteiro como a imagem de um fenômeno dentuço e carismático. A era Ronaldo acabou oficialmente.


Sim, já havia acabado. É verdade. Mas no dia do anúncio da lista dos 23 escolhidos por Dunga foi colocado oficialmente o ponto final na vitoriosa e recordista carreira de Ronaldo com a camisa 9 da seleção brasileira.


Camisa 9 que tem novo dono, camisa 9 que tem novo (quase) ídolo, camisa 9 que é um dos poucos do time com carisma para inflamar a torcida: nao a toa é o garoto-propaganda da fabicante de bebidas que durante anos faturou com o indicador de Ronaldo.


Guerreiro: é assim que Luis Fabiano se firmou na posição cujo dono anterior parece ser insuperável.


"Ronaldo é meu ídolo. Ronaldo tem uma história na seleção e no futebol como um todo. Eu quero construir a minha e vou fazer tudo que eu puder para ajudar a seleção e meus companheiros", falou (bem alinhadamente, como é facilmente notável) o atacante.

Sempre decisivo desde que assumiu a camisa "vaga" (Afonso Alves, Vagner Love, Hulk e companhia dispensaram suas chances). Assumiu com competência futebolística e com consciência de que para ser o dono da 9 ele precisava dar uma "amenizada" no jeito Luis Fabiano de ser para conquistar Dunga: e o fez com habilidade.


Cumpriu todos os rituais, fez-se de humilde, fez sempre questão de dizer-se emocionado com as convocações e mais do que nunca mostrou-se patriota. "Sou mais um brasileiro que quer muito o titulo."


Não, Luis Fabiano: você é um dos poucos brasileiros capazes de nos dar esse titulo. Seja "patriota"! Com ou sem bola sobrenatural. Pelo seu avô (sempre por ele lembrado e homenageado) e por nós.

Emocionado, Luis Fabiano quer vencer a Copa para homenagear o avô

31/05/2010 - Benedito Clemente teve um significado especial na vida de Luis Fabiano. Era mais do que um avô. Quando a mãe Sandra engravidou e precisou cuidar sozinha do filho, ele assumiu a responsabilidade de criar o neto. Seu Ditão, como o artilheiro o chamava, Foi pai, amigo, conselheiro. Uma das poucas pessoas que o Fabuloso ouvia e respeitava. O fã número um. Por isso, vencer a Copa do Mundo e conquistar o hexa vai ser uma forma de o atacante homenageá-lo.

- Fui criado pelo meu avó e, infelizmente, hoje ele não está mais aqui. Eu gostaria de ganhar essa Copa do Mundo pelo meu avô. Ele foi meu pai, meu primeiro fã - disse Luis Fabiano, que se emocionou ao falar sobre Seu Ditão na coletiva.

Seu Ditão foi o maior incentivador da carreira de Luis Fabiano. Foi ele quem levou o neto para o Guarani, no início da caminhada no futebol. O atacante foi dispensado e desanimou. Mas o avô estava lá para dar uma força. Quando Fabuloso virou profissional pela Ponte Preta, clube de coração de Seu Ditão, a alegria foi enorme. De bar em bar, ele passeava por Campinas falando sobre o neto.

- Meu avô andava com o recorte dos jornais no bolso e ia mostrando para todo mundo. Ele foi meu grande ídolo e fã. Sempre esteve ao meu lado, me apoiando nos momentos difíceis.

Seu Benedito faleceu em setembro de 2000. Não chegou a ver Luis Fabiano vestir a camisa da seleção brasileira - o atacante só foi convocado pela primeira vez em 2003. O auge foi ir com o neto para a França quando o Fabuloso se transferiu para o Rennes.

- Foi a maior alegria dele. Ir a Rennes e assinar o contrato junto comigo de um time europeu. Ele que sempre apostou em mim.

No ano passado, Luis Fabiano chorou ao lembrar do avô em uma conversa com o tio Marco por telefone após a conquista da Copa das Confederações.

- Quero ganhar por ele e por toda a minha família. Em todas as conquistas e vitórias eu penso nele.


Saudações Fabianistas*

De Fabiano a Fabuloso, mais um campineiro na história da Copas

31/05/2010 - De Campinas para a África do Sul. Do campo esburacado de terra batida do Jardim Proença para os principais estádios do mundo. De "bad-boy" a bom moço. De desacreditado a maior esperança brasileira de gols na Copa do Mundo de 2010. De promessa da Ponte Preta à realidade do Sevilla, na Espanha. De Fabiano a Fabuloso. A trajetória de Luis Fabiano até se firmar como titular absoluto do ataque da seleção brasileira reúne ingredientes suficientes para formar um bom drama cinematográfico. O título do Mundial coroaria uma carreira repleta de percalços, mas também de muito sucesso. 

Quinto representante de Campinas em Mundiais, o atacante recoloca o nome na cidade na história da mais importante competição de futebol do planeta após 20 anos. Ao ser convocado pelo técnico Dunga, ele entrou para um grupo restrito de campineiros que estiveram em Copas. Antes dele, o ex-goleiro Barbosa (sacrificado injustamente pela perda do título da Copa de 1950), Brandãozinho, em 54, Amaral, em 78 e 82, e mais recentemente Silas, camisa 10 do Brasil na Copa do Mundo de 1990, representaram Campinas em Mundiais. 

A presença na África também o colocou em outra lista, ainda mais seleta e desafiadora: a de carregar a responsabilidade de vestir a camisa 9 do Brasil em uma Copa. Nada disso assusta o Fabuloso. Aos 28 anos, mais experiente e focado na carreira, ele está confiante para confirmar a fama de artilheiro, mesmo com uma recente contusão muscular. Se depender do retrospecto  com a amarelinha nos últimos anos, o caminho é favorável. Os números estão ao seu lado. 

Hoje soberano, Luis Fabiano começou a dominar o setor ofensivo da seleção justamente no momento em que pensava estar esquecido por Dunga, em novembro de 2007. Na convocação para o duelo contra o Uruguai, no Morumbi, ainda no primeiro turno das Eliminatórias Sul-Americanas, Luis Fabiano foi chamado para substituir o contestado Afonso Alves, cortado por contusão. 

Com dois gols em um dos seus palcos preferidos, comandou a vitória de virada, por 2 a 1, e a partir daí, passou a virar o jogo e assumir o controle da situação. Dois títulos – Copa América e Copa das Confederações -, artilharia da Copa das Confederações e 17 gols depois, o atacante é unanimidade. Ninguém faz sombra à altura do artilheiro. Ao todo, são 25 tentos em 33 partidas pela seleção, média de 0,75 gol por jogo. 

A mudança de comportamento dentro das quatro linhas também contribuiu para que o atacante conquistasse a confiança de Dunga e assumisse a condição de "homem gol" do Brasil. Nesse aspecto, o jogador valorizou a importância da família no processo de amadurecimento. Quando atuava pelo São Paulo, ele colecionou expulsões infantis e chegou a declarar que preferia "bater em argentino a cobrar pênalti", ao justificar uma voadora que deu na confusão entre atletas de São Paulo e River Plate, em 2003.

Mas agora a história é outra. A dedicação impera na postura do atacante em campo. E isso faz a diferença, principalmente com Dunga, que preza pela consciência coletiva. Em entrevista ao portal EPTV.Com, Luis Fabiano revelou a ansiedade pela estreia na Copa, contou um pouco de sua carreira e garantiu estar pronto para o desafio de balançar as redes adversárias rumo ao hexacampeonato. 

EPTV.Com - Você é mais um campineiro que vai participar de uma Copa do Mundo como jogador. Como se sente representando a cidade na competição de futebol mais importante do planeta? Dá para pensar nas suas origens quando entra em campo com uma responsabilidade tão grande como vestir a 9 da seleção brasileira?

Luis Fabiano - É uma responsabilidade muito grande representar a cidade de Campinas e o Brasil numa Copa do Mundo, mas ao mesmo tempo é uma sensação muito gostosa, já que desde garoto eu sempre sonhei com isso. Às vezes passa um filme na minha cabeça e lembro de quando eu jogava bola nas ruas do Jardim Proença com molecada. É muito legal ver que batalhei muito pra chegar até aqui e hoje estou no momento mais importante da minha carreira. 

EPTV.Com - Por falar em titularidade do time de Dunga, você começou a conquistar esse posto na vitória por 2 a 1 sobre o Uruguai, no Morumbi, onde você tem uma história muito bonita com a camisa do São Paulo. E, na oportunidade, a convocação surgiu após o corte de Afonso Alves. Tudo isso é destino? Ou você prefere pensar que é competência – e muita, diga-se de passagem – da sua parte? (confira ao lado com o clipe de gols do atacante nas Eliminatórias)

Luis Fabiano - Acho que é uma mistura de destino com muito suor, muita luta. A oportunidade surgiu quando eu não esperava, eu já achava que não teria mais oportunidades na seleção, apesar de viver um grande momento. Além disso, fui convocado por causa do corte de um companheiro e a grande maioria das pessoas não acreditava que eu pudesse me firmar. Quando recebi a chance de jogar aquele jogo, no Morumbi, sabia que eu teria que aproveitar aquela chance da melhor maneira. Felizmente deu tudo certo e eu tive o mesmo pensamento em cada jogo: aproveitar as oportunidades.

EPTV.Com - A camisa 9 lhe caiu bem. Sentiu alguma pressão em vesti-la ou para você, entrar em campo e jogar futebol é a mesma coisa com a camisa do Brasil, do São Paulo ou da Ponte Preta? Por falar em Ponte Preta, os torcedores da Macaca ainda alimentam a possibilidade de vê-lo atuando novamente pela alvinegra. Você chegou a dizer que, em um possível retorno ao Brasil, a preferência é do São Paulo, mas que depois poderia retornar à Ponte. Essa possibilidade realmente existe

Luis Fabiano - É claro que vestir a camisa da seleção é diferente, não dá para dizer que é igual a vestir a camisa de um clube, por maior que seja. Na seleção você está representando um país, a sua nação e por isso a pressão é muito maior. Mas eu já estou acostumado e me sinto à vontade com essa camisa. Tenho um carinho muito grande pela Ponte e hoje e gostaria de um dia voltar a jogar com essa camisa, mas ainda é cedo para falar nessa possibilidade.

EPTV.Com - A preparação para a Copa do Mundo não é envolve apenas a parte física e técnica. Um jogador também tem que estar com a cabeça tranquila. Como pretende ter o último contato com a família antes do "confinamento"? Você mudou bastante seu temperamento de uns tempos para cá. Acredita que isso tenha sido fundamental para chegar onde chegou agora?

Luis Fabiano - Vou ter pouco tempo com eles, mas quero curtir minha família o máximo que der antes de embarcar. Estou com a cabeça boa para esse período de concentração, pois sei que é necessário. A família sem dúvida foi fundamental para eu chegar até aqui. Como eu sempre digo, o nascimento das minhas filhas foi essencial para o meu amadurecimento.

EPTV.Com - Em Campinas, onde foram seus primeiros passos no futebol: campo de terra batida? E como é pisar nos principais gramados do mundo após batalhar tanto? O título da Copa do Mundo é o que falta para coroar sua carreira? Ou você quer ainda mais depois do Mundial? 

Luis Fabiano - Eu jogava bola na rua e também num campinho que fica numa praça, no Jardim Proença, que chamávamos de Buracanã, porque fica numa praça e o campo fica "dentro" do buraco. Depois, quando comecei a levar mais a sério, fui jogar no Alvorecer, que é um time amador tradicional da cidade. O título da Copa do Mundo seria o auge da minha carreira é um objetivo. Depois da Copa tenho outros objetivos, mas isso dependerá da definição do meu futuro.

 

Dunga esboça titulares em treino.

O primeiro treino coletivo da Seleção Brasileira na África do Sul foi marcado pela forte disputa entre os jogadores em campo. O time titular, escalado pelo técnico Dunga com Júlio César; Maicon, Lúcio, Juan e Michel Bastos; Gilberto Silva, Felipe Melo, Elano e Kaká; Robinho e Luís Fabiano empatou sem gols com a equipe reserva.
O destaque positivo ficou por conta do lado direito da equipe. Maicon e Elano atuaram pelo setor e criaram quatro boas chances de gol, duas cada um. O lado negativo é que o meia Kaká deixou bastante a desejar. Após ficar 45 dias afastado das atividades por causa de lesão na coxa esquerda, o craque do Real Madrid pouco arriscou em campo, não deu as famosas arrancadas e, cauteloso, evitou entrar em dividas com os companheiros.
Os gols aconteceram somente nas bolas paradas, no fim da atividade. Em cobranças de faltas, Elano e Michel Bastos marcaram. Nos pênaltis, Elano teve o melhor aproveitamento na disputa com Robinho e Luís Fabiano.
A atividade realizada no campo da Hoerskool Randburg foi a primeira na qual Dunga esboçou a equipe que pretende usar na estreia do Brasil na Copa do Mundo, dia 15, contra a Coréia do Norte, em Joanesburgo.
Este foi o terceiro treino do Brasil com bola - o primeiro coletivo - em território sul-africano. O trabalho que estava marcado para hoje pela manhã foi cancelado, segundo informou a CBF. Somente a atividade da parte da tarde (10h30 de Brasília) será realizada.
Daqui a dois dias, a seleção fará o primeiro dos dois amistosos que programou antes do Mundial. Na quarta-feira, a equipe de Dunga enfrenta o Zimbábue em Harare, capital do país africano. No dia 7, a Seleção Brasileira visita a Tanzânia em Dar Es Salaam e fecha o ciclo de jogos preparatórios.

Saudações Fabianistas*

Luís Fabiano diz que a bola da Copa é 'sobrenatural',

Mais dois jogadores da seleção brasileira fizeram críticas neste domingo à Jabulani, a bola nova que será usada na Copa do Mundo na África do Sul.
A bola parece desagradar goleiros e jogadores de linha da seleção. Na sexta-feira, o goleiro Júlio César havia dito que a bola era "horrorosa" e que "parece aquelas que a gente compra em supermercado".
Neste domingo, o meia Júlio Baptista disse que a bola é "muito ruim" e que ela faz curvas demais.
Já o atacante Luís Fabiano afirmou que a bola é "sobrenatural" e que "parece que tem alguém guiando [a bola]".
"A bola é muito estranha. A trajetória que ela faz é muito estranha. Acho que ela não gosta que alguém a chute. É mais um adversário", disse o atacante.
"Espero me adaptar o mais rápido possível, porque ontem [sábado] foi difícil o treino de finalização. Você chuta e ela muda, se mexe, não sei bem [o que acontece]. Parece que tem alguém guiando."
Sem costuras
Júlio Baptista disse que a Jabulani é muito ruim "tanto para os jogadores quanto para os goleiros".
"Quando os jogadores chegam para cruzar, eles pegam de 'rosca' e ela vai para o lado contrário. Ela faz três, quatro curvas. É uma bola muito ruim."
A bola Jabulani foi criada pela fabricante de materiais esportivos Adidas. Ela é feita de material sintético e possui onze gomos e nenhuma costura, o que aumenta a velocidade.
Segundo o site da Adidas, a bola recebeu elogios de jogadores como Frank Lampard, da Inglaterra.
No entanto, a bola parece desagradar os brasileiros. Luís Fabiano disse que ainda não ouviu na seleção nenhum elogio à bola.
Musculatura
O atacante foi, ao lado de Kaká, o único jogador que trabalhou na manhã deste domingo em Johanesburgo.
Os dois fizeram trabalhos para fortalecer a musculatura. Tanto Kaká quanto Luís Fabiano tiveram lesões no final da temporada europeia, que acabou este mês.
"Estou bem e sem dor. E me considero pronto para jogar uma partida inteira sem problema nenhum", afirmou.
O atacante disse que acredita que a artilharia da Copa será disputada por Wayne Rooney, da Inglaterra, David Villa, da Espanha, e Leonel Messi e Diego Milito, da Argentina.
"E o Luís Fabiano, também, do Brasil", disse o atacante brasileiro.
Apesar de se colocar na lista de prováveis artilheiros, ele disse que seu objetivo é ganhar a Copa.
"Não adianta ganhar aquela chuteirinha de artilheiro. Eu quero é ser campeão", disse o jogador.
Titulares
Luís Fabiano disse que o técnico Dunga nunca sinalizou quem serão os titulares do ataque.
Ele não descartou nem mesmo a possibilidade de começar jogando ao lado de Grafite, que possui características mais semelhantes a ele do que Nilmar e Robinho.
Sobre a convocação de Grafite, ele disse que nem o próprio atacante do Wolfsburg acreditava que seria chamado, mas elogiou o companheiro.
O jogador do Sevilla e da seleção também disse que hoje, aos 29 anos, não tem mais o temperamento explosivo do passado, sobretudo da época em que jogava no São Paulo.
"No tempo do São Paulo, era normal eu tomar um [cartão] 'vermelhinho' a cada dois jogos", disse.
A seleção brasileira volta a treinar com bola na tarde deste domingo em Johanesburgo.

Saudações Fabianistas*

Reclusão argentina e Luís Fabiano causam 1º embate‎

31/05/2010 - O tradicional procedimento argentino de se fechar ao máximo durante a Copa do Mundo e a franqueza com que Luís Fabiano analisou os potenciais candidatos à artilharia do Mundial da África do Sul levaram Brasil e Argentina ao seu primeiro embate na competição.

“Melhor não falar de certas coisas" foi o título da reportagem na qual o sempre provocativo diário esportivo argentino "Olé" retrucou a constatação de Luís Fabiano sobre o futebol de Messi pelos bicampeões mundiais. Assim como considerável parcela dos "hermanos", o brasileiro apontou que o craque do Barcelona rende mais quando atua pelo seu clube.

"Rooney e Villa são jogadores que podem lutar pelo posto de maior goleador. O Messi também, ele faz muitos gols. Mas, como a seleção argentina, não vai tão bem", afirmou o atacante no domingo.

Outros jornais do país, como o "Clarín" e o "La Nación", também repercutiram prontamente a declaração de Luís Fabiano. Até porque vários jornalistas argentinos, sem nenhum acesso ao time de Maradona, saíram de Pretória e foram até Joanesburgo acompanhar a rotina da equipe de Dunga.

E, que pese a velocidade com a qual a informação circula na era digital, assistir in loco ao atacante brasileiro criticar a maior estrela argentina fez a imprensa portenha dar ainda maior espaço ao assunto.

O "Olé" registra as conquistas de Luís Fabiano, mas alerta que "subestimar Lionel Messi pode ser um erro gravíssimo". Por fim, chega a questionar a presença do jogador do Sevilla na estreia brasileira, em 15 de junho, contra a Coreia do Norte. "Ele jogará? Uma lesão muscular o pôs em dúvida para a estreia do 'Scratch' (apelido dado pelos argentinos à seleção brasileira) frente à Coreia do Norte".

O "Clarín" viu "atrevimento" no comentário de Luís Fabiano. Comenta inclusive a maneira usada pelo atacante para se colocar na lista de postulantes à artilharia. "'Há também um bom atacante no Brasil, um tal Luís Fabiano. Esse também pode ser (o artilheiro da Copa)', disse com um gesto que mescla humildade e egocentrismo".

Saudações Fabianistas*

5/30/2010

Mais do que ser artilheiro, Luís Fabiano quer beijar a taça

30/05/2010 - Luís Fabiano só pensa em ser campeão do mundo. Não se encanta com a possibilidade de ser o artilheiro da Copa, nem tem uma meta de gols a cumprir na África do Sul. Seu sonho é levantar e beijar a taça e depois desfilar no caminhão dos bombeiros pelas cidades do Brasil. Acompanhe os principais momentos da entrevista coletiva que o atacante concedeu, sempre bem-humorado, neste domingo (30) em Johannesburgo.


P - Você está recuperado da lesão que o afastou dos últimos jogos do Sevilla e dos primeiros treinos da seleção?


Luís Fabiano - Estou pronto para jogar uma partida inteira. Trabalhei muito nos últimos dias com o Rosan (Luís Rosan, fisioterapeuta da seleção e do São Paulo). Ele é o melhor do mundo. Trabalhei duro em três períodos para voltar a jogar. Não tenho mais dor e vou chegar bem para a estreia na Copa do Mundo.


P - Vai para o sacrifício?


Luís Fabiano - Pela seleção eu faço tudo. Se tiver de marcar, eu marco. Se tiver de dar carrinho, dou. Depende da opção tática do treinador, mas estou aí para qualquer coisa. Jogar uma Copa é um sonho.


P - Na propaganda de um patrocinador da seleção você faz o papel de guerreiro, a seleção é guerreira. Vai ser assim na Copa?


Luís Fabiano - O cara que faz a propaganda pode pensar o que ele quiser. Só que aqui é diferente. Acho que não tem nada a ver com a propaganda. A seleção tem a sua cara: encantou quando teve de encantar, foi guerreira quando tinha de ser. Os resultados estão aí e o importante é isso.


P - Não falta um pouco de arte, fantasia, como se diz na Europa?


Luís Fabiano - Contra a Argentina, em Rosário, fizemos uma grande partida (vitória por 3 a 1 pelas eliminatórias). Todo mundo falou que jogamos bem, que tinha voltado a alegria. Às vezes a gente teve de jogar um pouco mais duro. São partidas difíceis, às vezes há a necessidade de marcar, de jogar feio. Se tiver de jogar feio para ganhar, vamos jogar.


P - A seleção, de 1994 para cá, sempre teve grandes atacantes, como Romário e Ronaldo, que decidiram. Agora é a sua vez de decidir.


Luís Fabiano - Atacante é o cara que faz o gol, por isso é decisivo. A seleção sempre teve grandes atacantes. Consegui o meu espaço e agora tenho de retribuir a confiança que o treinador tem em mim.


P - Quando você conquistou o Dunga para valer?


Luís Fabiano - Foi naquele jogo contra o Uruguai no Morumbi (eliminatórias, em 2008). Sempre me dei bem no Morumbi, que é um estádio em que estou acostumado a jogar desde a época do São Paulo. Acreditava que ali era minha última oportunidade, já que eu não vinha sendo convocado. Depois daquele jogo, foi o que me deu força. Vi que o treinador passou a confiar em mim e conquistei também o povo brasileiro.


P - Quais atacantes vão se destacar na Copa do Mundo?


Luís Fabiano - O Rooney (Inglaterra) e o Villa (Espanha) são jogadores que podem brigar pela artilharia. Tem o Messi também, que faz bastante gol no Barcelona, mas na Argentina não vai tão bem assim. E, claro, tem o Luís Fabiano, do Brasil, que também vai lutar para ser artilheiro (risos).


P - A sua meta é ser o artilheiro do Mundial?


Luís Fabiano - Se for o artilheiro, ótimo. Mas meu objetivo final é mesmo ser campeão do mundo. De nada adianta ganhar a chuteira da Fifa de goleador e não ser campeão. Você volta para casa com a chuteirinha debaixo do braço, sem graça... e não acontece nada.


P - E levantar a taça?


Luís Fabiano - Isso sim é que vale a pena. Bonito é conquistar o título e beijar a taça, aquela festa toda. E depois levar a taça, desfilando em carro aberto. Já desfilei varias vezes na Espanha, mas no Brasil nunca.


P - Para quem você vai dedicar a conquista se ganhar a Copa?


Luís Fabiano - Pela minha história, vou dedicar ao meu avô que, infelizmente, já não está mais aqui. Ele (Benedito)foi um pai pra mim, me criou, me incentivou a jogar futebol. Quando comecei e saíam notinhas nos jornais me elogiando (em Campinas), ele recortava e guardava no bolso da camisa para mostrar com orgulho aos amigos que encontrava nas ruas. Ele foi e é meu grande ídolo. (Luis Antonio Prosperi e Robson Morelli)

Pelo bem da carreira, Luís Fabiano deixa de lado postura de 'bad boy'


30/05/5010 - Luís Fabiano sempre teve faro de gol. E de confusão também. Dentro de campo, ele misturava o lado artilheiro com o briguento. Não aceitava desaforos. Revidava mesmo, sem medo das conseqüências. Porém, de uns anos para cá, especialmente desde que se firmou como camisa 9 da seleção brasileira, as coisas mudaram.

Casado e com duas filhas, o atacante do Sevilla passou a ouvir mais aqueles a sua volta. Família, amigos, treinadores, companheiros, psicólogos... Deu certo. Quando colocou na cabeça que não poderia mais se descontrolar com as provocações ou entradas duras, a vida do atacante melhorou bastante.

- A minha família foi importante, assim como os técnicos que quiseram me ajudar, os amigos, a psicóloga que falei no São Paulo... Tudo isso me ajudou a melhorar em campo, porque era normal eu levar um cartão vermelho a cada dois jogos. Agora amadureci e estou mais tranquilo, confiante das minhas possibilidades – acrescentou o camisa 9 da seleção brasileira.

Falar do passado, no entanto, não é algo que agrade a Luís Fabiano. Embora a ascensão na carreira tenha começado cedo, o atacante prefere não ser nostálgico e lembrar as confusões em que se meteu em campo, como o soco que deu no uruguaio Diogo, em jogo do Sevilla contra o Zaragoza, em 2007.

Fora de campo eu nunca fui um jogador polêmico. Não gosto de balada. O meu problema era dentro do campo"Luís Fabiano- O passado eu procuro esquecer, ainda mais porque não fui muito feliz. Principalmente depois que saí do São Paulo. Minha adaptação no Porto foi difícil, passeis por problemas de comportamento dentro de campo. Gosto de lembrar os momentos bons e pensar no futuro. Tinha a meta de estar aqui na Copa do Mundo, agora quero ser campeão e, se der, artilheiro – declarou o atacante.

Se por um lado o Uruguai traz más recordações, por outro o vizinho brasileiro também remete a ótimo momento. De novo em 2007, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, no Morumbi, Luís Fabiano foi a novidade de Dunga no ataque da seleção contra a Celeste. Ele fez dois gols e assegurou o triunfo por 2 a 1.

Ali começou a era Luís Fabiano no ataque da seleção brasileira, setor que estava carente desde a Copa do Mundo de 2006, última participação de Ronaldo. E mais do que virar soberano com a 9 do Brasil, o atacante do Sevilla conquistou Dunga pela sua dedicação e postura em relação à seleção brasileira.

- Fora de campo eu nunca fui um jogador polêmico. Não gosto de balada. O meu problema era dentro do campo. Eu era explosivo demais, não aceitava tomar porrada, ia para o revide. Mas agora eu consigo controlar esse ímpeto e não tenho mais problemas... (pausa). Falei bonito, né!? – finalizou Luís Fabiano.

Luís Fabiano avisa que terá cautela nos amistosos

30/05/2010 - Depois do susto que levou ao sofrer uma contusão muscular pouco antes de se apresentar à seleção brasileira, Luís Fabiano promete ter cautela nos dois amistosos que o time de Dunga fará antes da estreia na Copa do Mundo ? contra Zimbábue e Tanzânia. Já recuperado, ele está treinando normalmente e garante estar pronto para jogar, mas lembrou também que não é o momento de arriscar.

Principal atacante da seleção, Luís Fabiano sofreu a lesão muscular na coxa esquerda no dia 15 de maio. Num primeiro momento, achou que o problema era grave e que podia tirá-lo da Copa. Mas os exames o tranqüilizaram, ao apontarem que o caso era simples. Mesmo assim, ele não pôde defender o Sevilla na final da Copa do Rei e antecipou sua viagem ao Brasil para iniciar a recuperação.

"Foi muito bom voltar ao Brasil antes. Agradeço ao Sevilla por me liberar. Não tinha condições de jogar a final da Copa do Rei (disputada em 19 de maio, diante do Atlético de Madrid)", afirmou Luís Fabiano, que garantiu neste domingo já estar completamente recuperado da lesão. "Venho trabalhando normalmente, estou bem, não tenho dor. Me considero pronto para jogar uma partida."

Mas, para conseguir se recuperar, Luís Fabiano tem trabalhado intensamente na fisioterapia, fazendo reforço muscular. Na manhã deste domingo, por exemplo, ele foi treinar junto com Kaká, que também sofreu lesão muscular recentemente, enquanto todos os outros jogadores da seleção tiveram descanso. Tem sido assim desde que começou a preparação brasileira para a Copa, em 21 de maio.

"Trabalhei bastante para me recuperar, para fortalecer o músculo. No começo, treinei até em três períodos", lembrou Luís Fabiano, que teve vários problemas de contusão durante a atual temporada. "Não tive uma pré-temporada boa. E isso me prejudicou, pois acabei sofrendo muitas lesões. Mas, ainda assim, fui o artilheiro do Sevilla", explicou o atacante brasileiro, que está com 29 anos.

Apesar de garantir que já está recuperado e pronto para jogar, Luís Fabiano reconhece que não é hora de correr riscos. Por isso, não deve forçar o ritmo diante do Zimbábue, na quarta-feira, e da Tanzânia, no dia 7 de junho. "Os amistosos são importantes para a preparação. Mas, como venho me recuperando e ainda tem tempo até a estreia, vou encará-los com um pouco de cautela", revelou.

Jornal argentino diz que 'anti-Messi' Luis Fabiano é melhor calado


30/05/5010 - A declaração de Luis Fabiano sobre Lionel Messi ter poucas chances de ser artilheiro da Copa do Mundo repercutiu na Argentina. E o jornal “Olé”, como sempre, usou da ironia: “Melhor calado”, diz a chamada no site do diário.

No texto, o “Olé” até dá razão ao Fabuloso. “Não disse nada de novo”, diz a nota. Em entrevista coletiva, o brasileiro afirmou que ele, o inglês Rooney e o espanhol David Villa são os principais candidatos para a artilharia do Mundial.

Tem o Messi também, que faz bastante gol, mas na Argentina não vai tão bem assim – disse o camisa 9 de Dunga.

O “Olé” faz o público argentino lembrar quem é Luis Fabiano: “É aquele que, em Rosário, marcou dois gols contra a gente no 3 a 1 para o Brasil. Claro, isso não lhe dá o direito de falar demais. Foi campeão da Copa América de 2004 e da Copa das Confederações de 2009”.

No final, porém, o jornal provoca. Para o “Olé”, “subestimar Lionel Messi pode ser um grave erro”. E depois cita os números da temporada europeia: Luis Fabiano fez 15 gols pelo Sevilla, 33 a menos que o camisa 10 de Diego Maradona.

Chuteiras personalizadas viram moda na busca pelo hexa


30/05/2010 - Todo jogador gosta de demonstrar o amor por seus entes queridos ao entrar em campo. Seja com um gesto ou com uma comemoração diferente, o que vale é deixar o recado. Mas a partir do dia 15 de junho, quando o Brasil estrear na Copa do Mundo, os 23 convocados pelo técnico Dunga vão demonstrar o seu carinho pelos filhos, esposas ou mães na ponta da chuteira. Personalizadas, elas viraram moda na seleção.
Artilheiro da seleção, o atacante Luís Fabiano coloca suas iniciais "LF9" em um pé, e no outro as iniciais dos nomes da esposa (Juliana) e das filhas (Geovanna e Gabriela), o que forma a sigla "JGG".
Os jogadores brasileiros também procuram seguir a risca o tradicional lema "pátria na chuteira". Dos 23 atletas, nove pediram para se gravar no calçado a bandeira do Brasil. E não são apenas os bordados que chamam a atenção. Alguns atletas pedem aos fabricantes modelos sob medida. No caso da Nike, que trabalha com 14 jogadores da atual seleção, Elano e Luís Fabiano tem calçados diferenciados. Enquanto o primeiro gosta de travas a mais no solado, o outro prefere um material mais macio no peito do pé e no bico da chuteira. Na Itália, a empresa tem uma fábrica para produzir os modelos exclusivos dos maiores craques, com medidas e especificações detalhadas de cada um.

Luís Fabiano: "Eu revidava, não aceitava tomar porrada"

30/05/2010 - A passagem de Luís Fabiano pelo São Paulo não foi marcada apenas pelos gols, mas também por brigas com adversários e cartões vermelhos. Mas, agora, com a responsabilidade de ser titular da seleção brasileira em uma Copa do Mundo, o jogador admite que consegue se controlar mais em campo e tenta apagar a imagem de quem já deu até voadora contra argentinos.

"Meu problema não era fora de campo, eu não tinha polêmica e não gosto de sair para balada. Eu era explosivo nos jogos. Não aceitava perder e nem tomar porrada, eu ia para o revide e para a briga. Consegui conter um pouco essa volúpia, esse ímpeto. Hoje, consigo me controlar mais em campo", afirmou o atleta, em entrevista coletiva neste domingo, em Johanesburgo.

Luís Fabiano sabe que só chegou à Copa do Mundo porque conseguiu mudar sua postura nas partidas. Peça importante do Sevilla nas temporadas passadas, o atacante garante que tem condições de ser decisivo também para o Brasil.

"No São Paulo, era normal tomar um vermelhinho a cada dois jogos. Mas consegui amadurecer e estou mais confiante em minhas possibilidades. Sei a importância que tenho dentro da seleção", afirmou o atleta, que acrescentou.

"Não sou mais menino. Tenho 29 anos, com outra cabeça. Agradeço a todo mundo que me ajudou. Na época do São Paulo, cheguei a falar com psicólogo. O pessoal lá do clube conseguiu me ajudar, porque hoje sou outro Luís Fabiano. Minha família também foi importante. E tive técnicos dispostos a ajudar", finalizou.

Largo 13 joga responsabilidade em Luis Fabiano

30/05/2010 - O comércio mais popular da zona sul de São Paulo, o Largo 13, em Santo Amaro, coloca a venda camisa de Luis Fabiano mais do que qualquer outro jogador.

O atacante da Seleção Brasileira tem a responsabilidade de fazer os gols necessários para trazer o hexa para o Brasil – e o mercado já percebeu isso.

A camisa 9 do Brasil vale 20 reais no Largo 13 – obviamente não se trata da original, que custa dez vezes mais. A mesma peça para criança sai por 15 reais. Depois de Luis Fabiano, as camisas mais encontradas no comércio popular do local são as de Kaká (número 10) e Robinho (11).

Uma touca com as cores verde e amarela vale entre 6 e 10 reais no Largo 13. Um cachecol, 10 reais. Já o cornetão (a nossa vuvuzela) custa 3 reais. Aquela bandeirinha cafona com haste para ser pendurada na porta do carro sai pela bagatela de 1,50 reais.

Apesar de estarmos a poucos dias do início da Copa da África do Sul, o clima nas lojas do Largo 13 ainda não é de Mundial. Somente alguns estabelecimentos estão decorados com as cores verde e amarela. A oferta de produtos com motivos do Mundial e da Seleção Brasileira não é predominante na maioria do comércio.

Tenho a ligeira impressão que o ufanismo brasileiro deu uma arrefecida. E o Largo 13 é um bom termômetro disso.

O local é um dos pontos em que se vê a forte imigração de nordestinos para a capital paulista. Agências vendem passagens de ônibus para o Nordeste nas ruas próximas. Em uma esquina, uma pequena fila se estende na apertada calçada. A fileira var dar em uma barraquinha do econômico churrasco grego.

Mais adiante, mulheres oferecem advogado para causas trabalhistas para ex-empregados – uma indústria que já foi mais aquecida, mas que cedeu ao bom senso de juízes nos últimos tempos; quem ganhava mais com isso não eram os trabalhadores mais sim os advogados.

Um dentista de plantão em um consultório atende emergência em frente à igreja do Largo 13. Tratar o dente no país é um luxo, só que na hora que a dor aperta, não tem jeito. A vantagem é que lá o atendimento deve ser barato – não poderia ser diferente em um local freqüentado pela população de classe média baixa e baixa.

Agora está nos pés de Luis Fabiano a tarefa de fazer essa gente sorrir.

Kaká e Luis Fabiano fazem trabalho à parte


30/05/2010 - O meia Kaká e o atacante Luis Fabiano fizeram um trabalho à parte na manhã deste domingo na concentração da seleção, em Johannesburgo, na África do Sul.

A informação foi dada pela CBF. A entidade que dirige o futebol brasileiro disse ainda que o "trabalho é rotineiro". Pela programação, não havia nenhum tipo de treino programado aos atletas na manhã deste domingo (horário sul-africano).

Kaká e Luis Fabiano foram os jogadores que se apresentaram na seleção com dores e demoraram um pouco mais para treinar com os companheiros.

Neste domingo, ambos fizeram fortalecimento muscular com o fisioterapeuta Luiz Alberto Rosan.

Luís Fabiano quer que o Brasil vença nem que seja jogando feio


30/05/2010 - JOHANNESBURGO, África do Sul — O atacante da Seleção brasileira, Luís Fabiano, afirmou neste domingo que o objetivo principal de seus companheiros é ganhar o Mundial da África do Sul, mesmo que seja jogando feio, e que também tem como objetivo ser o artilheiro da competição.

Em coletiva de imprensa na sede do exclusivo clube de golfe de Randburgo (norte de Johannesburgo), vizinho do hotel da Seleção, o atacante do Sevilla disse estar numa etapa de buscar metas. "Uma eu já consegui, que é estar aqui. A outra é ser campeão e ser o artilheiro da Copa".

"A primeira coisa é ser campeão, depois, se eu for o artilheiro, legal. Mas a primeira coisa é ser campeão, ser artilheiro será consequência do trabalho na competição. Não que não pense nisso, todo atacante tem essa ilusão", explicou.

Fabiano quer levar a Copa para seu país e liderar a tabela de artilheiros para dedicar isso a seu falecido avó Benedito, que o criou desde pequeno: "Em todas as conquistas, penso nele e as dedico a ele também".

"Infelizmente, meu avó já não está mais entre nós, e gostaria de ganhar a Copa por ele, porque ele foi meu pai... Meu avó foi meu grande ídolo e também um fã, então gostaria muito de conseguir isso", acrescentou.

Quanto à imagem de equipe guerreira da Seleção, que deixou de lado o tradicional futebol bonito e que explora os patrocinadores, Luís Fabiano deixou claro que o importante será vencer sem importar como: "Se for preciso jogar feio para ganhar, vamos fazer isso, o que importa na Copa é vencer", enfatizou.

"A propaganda diz o que quer dizer a propaganda, nada tem a ver com sua imagem, pois a Seleção tem sua própria cara. Agradou quando teve que agradar e foi guerreira quando teve que ser... Os resultados estão aí", explicou, citando a vitória de 3 a 1 como visitante ante a Argentina pelas eliminatórias sul-americanas em 2009.

Nesse sentido, afirmou ainda que houve vezes em que foi preciso jogar mais duro. "Há partidas difíceis onde há necessidade de marcar e jogar feio para ganhar, pois jogamos sempre para vencer e é isso o que importa", concluiu o acatante.

L. Fabiano quer artilharia, mas foco é desfilar em carro aberto

30/05/2010 - Principal jogador do Brasil com a responsabilidade de balançar as redes, Luís Fabiano sabe que não pode desconsiderar a briga pela artilharia da Copa do Mundo da África do Sul. O jogador, inclusive, confirma sua vontade de lutar entre os principais goleadores e até aponta os concorrentes, mas avisa que seu grande objetivo é conquistar o título.

"Ser artilheiro é consequência. Claro que eu penso nisso porque sou atacante, mas o mais bonito é levantar a taça e desfilar no Brasil em carro aberto. Já tive essa oportunidade na Espanha, mas não no Brasil", afirmou, antes de completar.

"Não adianta ser artilheiro e ficar sem o título. Eu só iria para a casa com a chuteirinha de artilheiro, sem graça. Quero ser campeão, mas ser o melhor do mundo seria um sonho", acrescentou.

Mesmo com o foco na taça, Luís Fabiano também está de olho nos demais candidatos ao posto de goleador máximo na África do Sul. Apontou para um inglês, um espanhol, dois argentinos e um brasileiro.

"Rooney e David Villa são jogadores que fazem muitos gols e têm bastante qualidade. E o Messi também faz gol, mas não vai tão bem na Argentina como no Barcelona. Acho que tem ainda o Milito, além do Luís Fabiano, do Brasil, que também vai lutar para ser artilheiro", brincou.

Antes da conquista da seleção canarinho na Copa das Confederações de 2009, o jogador estabeleceu a meta de um tento por partida e cumpriu: foram cinco gols em cinco jogos. Agora, Luís Fabiano faz as contas do que precisa para brilhar também no Mundial.

"Eu estava analisando, porque são sete jogos até a final. Se eu não me engano, o último artilheiro foi com seis (na verdade, Klose marcou cinco em 2006). Eu gostaria de fazer o máximo de gols, mas Copa é difícil. Um por jogo seria bom, mas não é fácil", finalizou.

Luís Fabiano coloca Messi como rival, mas não pelo que faz na Argentina


30/05/2010 - O inglês Wayne Rooney, o espanhol David Villa e o argentino Messi foram apontados pelo atacante Luís Fabiano como os seus principais concorrentes na briga pela artilharia da Copa do Mundo de 2010, que terá início no dia 11 de junho. O “Hermano”, porém, parece estar na lista do brasileiro apenas com o nome.

Sim, é verdade que ele é atualmente o melhor jogador do mundo e que arrebentou no Barcelona na última temporada, mas o que faz Luís Fabiano desconfiar de Messi na Mundial da África do Sul é o fato de na seleção argentina ele raramente ir bem. No clube, por exemplo, La Pulga tem a expressiva marca de 43 gols em 49 jogos.

- O Rooney e o Villa são jogadores que podem brigar pela artilharia. Tem o Messi também, que faz bastante gol, mas na Argentina não vai tão bem assim. E, claro, tem o Luís Fabiano, do Brasil, que também vai lutar para ser artilheiro – declarou o atacante do Sevilla, que na última temporada fez 15 gols em 23 jogos.

Embora tenha tido um bom rendimento na última temporada europeia, Luís Fabiano não escapou de algumas críticas na imprensa espanhola. Segundo ele, o motivo da cobrança tem a ver com a lesão que teve no tornozelo e também com alguns problemas musculares que ele sentiu, inclusive antes de se apresentar à seleção.

- Na Espanha é normal a pressão sobre o jogador brasileiro. Infelizmente eu não tive uma pré-temporada muito boa. Antes de começar a competição tive muitas lesões. Mas mesmo assim eu fui o artilheiro do time – falou o camisa 9 do Brasil.

Para a estreia da Copa do Mundo, no dia 15 de junho, contra a Coreia do Norte, no estádio Ellis Park, em Joanesburgo, Luís Fabiano acredita que estará pronto para jogar, totalmente recuperado de sua lesão muscular. Por isso pretende não forçar muito nos amistosos contra Zimbábue, dia 2, e Tanzânia, dia 7 de junho.

Luís Fabiano diz que bola da Copa é ´sobrenatural´


30/05/2010 - Luís Fabiano, camisa 9 da seleção brasileira, se uniu ao goleiro Júlio César nas críticas à bola que será usada na Copa do Mundo. “Foi difícil fazer treino de finalizações com essa bola. Parece que tem alguém a guiando. É sobrenatural, é muito ruim”, afirmou em coletiva em Johanesburgo, na África do Sul, neste domingo.

A Jabulani também foi reprovada por Julio Batista. “Não sei por que não usaram a bola da Champions (Liga dos Campeões). Temos que aceitar o que eles escolheram”, disse, na mesma entrevista. Na semana passada, foi a vez de Júlio César dizer que a escolha colocava os goleiros em desvantagem.

'Isolados' na África, jogadores buscam torcedores no Twitter

A CBF conseguiu evitar o ambiente de festa na concentração da seleção brasileira que caracterizou a preparação para a Copa passada, mas alguns jogadores brasileiros deram sinais de que estão sentindo falta da torcida na África do Sul.
Jogadores como Kaká, Luis Fabiano e Felipe Mello têm usado o tempo livre nos dias de treino para interagir com torcedores, amigos e outros atletas pelo site de microblog Twitter.

Kaká é o jogador que mais usa o Twitter. Entre os treinos, ele manda recados curtos alertando para a programação do momento da seleção.

À noite, ele escreve para a torcida e amigos e responde algumas mensagens mandadas por torcedores.
Cobranças
Apesar de a maioria das mensagens dos torcedores serem de apoio aos jogadores, eles não escapam das

cobranças.
Na noite de sexta-feira, um torcedor escreveu pelo Twitter: "Pára de tuitar (sic) e vai treinar Kaká!"
Kaká respondeu publicando no seu Twitter uma mensagem de outro torcedor: "Estuda filho e aprende sobre fuso."

O fuso horário da África do Sul é cinco horas à frente do horário de Brasília. Na hora em Kaká estava usando o Twitter, já era noite em Johanesburgo e os treinos já haviam terminado.
Jogadores e ex-atletas, como Ronaldo Nazário e Romário, também usaram o Twitter para mandar mensagens aos jogadores da seleção.

Ronaldo mandou apoio aos jogadores que têm Twitter - Grafite, Kaká, Felipe Mello, Júlio César, Luis Fabiano e Gilberto Silva.
Ele também mandou um recado a uma conta de Twitter que leva o nome do atacante Nilmar, mas Kaká corrigiu o Ronaldo, dizendo que Nilmar não possui conta no site de microblog.

Competitividade
Os jogadores também usam o Twitter para mostrar o clima de competitividade entre os colegas na hora de folga.

Luis Fabiano, Kaká e Felipe Mello publicam várias mensagens sobre partidas de vídeogame e ping pong, com algumas alfinetadas entre os colegas.
"Hoje bati o Júlio, Kaká e Daniel Alves no ping pong. Praticamente imbatível. Só perdi para o Taffarel, mas ele é fera", escreveu o atacante Luis Fabiano na sexta-feira.
Outros jogadores avisaram que pretendem manter o clima de concentração e isolamento, abandonando o Twitter durante a Copa.

"Amigos, agradeço o carinho de todos nos poucos dias em que estive no Twitter. Como estou focado só na Copa do Mundo, volto depois dela. Abraço", escreveu o goleiro Júlio César, que só criou uma conta no site de microblog há menos de um mês.
Isolados

Até sábado, os jogadores continuavam "isolados" da torcida na África do Sul.
Se em Weggis, na Suíça, durante a preparação para a Copa passada, cerca de 5.000 torcedores chegaram a acompanhar os treinos da seleção, em Johanesburgo a seleção praticamente só tem contato com funcionários do hotel onde estão hospedados.
Além dos funcionários, só circulam próximo ao hotel do Brasil os membros do clube de golfe que fica ao lado.

Neste sábado, o colégio onde o Brasil treina está cheio de alunos, pais e professores, mas eles não vieram para acompanhar os treinos.
No campo ao lado da seleção, as alunas participam de um processo de seleção para os times femininos da escola.


Saudações Fabianistas*

5/29/2010

Balada da seleção é na sorveteria


29/05/2010 - A gente não está podendo falar. O homem não quer.

Foi assim que Grafite recusou entrevista para a TV Record e para o R7 neste sábado (29), no Nelson Mandela Square, principal shopping de Johannesburgo.

O “homem” em questão é Dunga. O treinador tomou uma medida histórica e proibiu que seus jogadores dessem entrevista neste sábado na África do Sul. O assessor de imprensa da seleção, Rodrigo Paiva , se limitou a dizer que os atletas “estão de folga" - Vamos deixar os nossos jogadores descansar. Não vamos sacrificar ninguém.

O "sacrifício" seria de dois jogadores. Eles teriam de responder às perguntas dos jornalistas por uma hora. Ao mesmo tempo, Rodrigo precisava defender o treinador da seleção.

Na verdade, a ordem partiu de Dunga. A comissão técnica resolveu dar a tarde deste sábado e a manhã de domingo (30) de folga. Ao contrário do que acontecia com Carlos Alberto Parreira, nada de baladas até 5h da manhã. Os jogadores tinham de estar de volta até as 22h.

Os jornalistas na África tiveram de se transformar em paparazzi. Todos ficaram de plantão na porta do luxuoso hotel onde a seleção brasileira está concentrada.

O plantão durou das 13h até as 17h, quando o ônibus partiu levando alguns poucos jogadores e muitos seguranças. A maioria dos atletas preferiu ficar no hotel, em uma demonstração de o quanto estão doutrinados por Dunga.

Foram poucos os atletas que se arriscaram a sair. O programa era conhecer o Nelson Mandala Square, um conjunto de lojas e restaurantes. No centro de tudo, uma gigantesca estátua de Nelson Mandela.

A escolha do passeio não foi feliz. Luís Fabiano, Grafite, Elano, Doni, Gomes e Gilberto não tiveram sossego. Foi engraçado. Os sul-africanos não tinham a menor idéia de quem eles eram, mas o assédio dos jornalistas, das televisões, dos rádios, foi tão intenso que eles resolveram tirar fotos e pedir autógrafo para quem quer que fosse.

Os gritos de “Ronaldinho, Ronaldinho” prevaleceram. Os atletas fingiam que não ouviam, não davam bola, mas não negavam fotos. O chefe da delegação, Andres Sanches, o observador/preparador de goleiros Taffarel e até o supervisor Américo Faria circulavam pelo shopping.

O máximo de balada que eles se permitiram foi tomar um sorvete. Luís Fabiano, Elano e Taffarel tomaram seu sorvete fingindo que não percebiam centenas de flashes. Quem não quis se arriscar e resolveu ficar no hotel se deu bem. Kaká, Júlio Baptista e Júlio César se divertiram no campo de golfe.

R7

As próximas folgas prometem também ser tão aborrecidas como essa. A maioria das famílias dos jogadores não deverá vir para a África na primeira fase. Por pedido dos próprios maridos, elas deverão aparecer só nas oitavas de final por causa do medo da violência da África do Sul. Essa é a seleção de Dunga...

Jogadores da seleção aproveitam folga para passear no shopping


29/05/2010 - Sete jogadores da seleção brasileira aproveitaram a tarde de folga para fazer compras em um shopping na Mandela Square, em Joanesburgo. Luís Fabiano, Elano, Gomes, Grafite, Doni, Felipe Melo, Gilberto e Gilberto Silva estiveram no local e obrigaram a segurança a fechar uma loja de eletrônicos para que os atletas pudessem fazer compras com tranquilidade. Eles também aproveitaram para tomar sorvete. Curiosamente, em entrevista concedida na quinta-feira, Dunga disse que havia gente que não gostava de sexo, sorvete e vinho, ao responder se, assim como Maradona, iria liberar sexo e chocolate na concentração.
Além dos jogadores, o chefe da delegação da seleção brasileira e presidente do Corinthians, Andrés Sanches, também estava no local, acompanhado da assessoria de imprensa da CBF.


O tour escolhido por esse grupo no shopping foi o mesmo realizado no ano passado, quando a seleção brasileira esteve na África do Sul para a disputa da Copa das Confederações. Mais tarde, o Brasil seria campeão do torneio ao vencer os Estados Unidos na decisão.

Enquanto alguns passeavam pelo shopping, o trio Julio Cesar, Julio Baptista e Kaká jogava golfe em um dos campos do Randpark, complexo que abriga também hotel onde está hospedada a seleção brasileira.

Os jogadores que optaram por deixar a concentração no período livre voltaram ao hotel por volta das 19h locais, período previsto inicialmente na programação para o retorno. A CBF, no entanto, informou que os atletas estavam liberados até as 22h.

[vídeo] Luís Fabiano fala como é disputar um Mundial pela 1° vez

29/05/2010 - Luís Fabiano Fala sobre disputar sua 1° Copa do Mundo.

Confira o Vídeo:


Saudações Fabianistas*

Kaká e Luís Fabiano treinaram no primeiro coletivo da seleção nesse sábado


28/05/2010 - A Seleção vive isolada no luxuoso Fairway Hotel de 60 apartamentos, cada jogador ocupando um quarto. Não se encontra no bairro classe alta de torcedores pedindo autógrafo, exigindo foto, reclamando por sorrisos ou implorando para entrar no treino.

A Copa do Mundo começa em 13 dias, 17 para o time de Dunga. Na sua segunda entrevista coletiva no mês de maio, a primeira na África do Sul, onde a delegação desembarcou quinta-feira passada, o técnico reclamou da falta de jogos e coletivos.

Neste sábado, com treino marcado para as 9h30min e em um turno somente, Dunga pode fazer seu primeiro coletivo em 11 dias de pré-temporada, cinco deles em Curitiba. Todos os jogadores estão bem.

Na sexta, Dunga dividiu os 20 jogadores de linha em quatro equipes. Um contra o outro, ele se enfrentaram em diferentes partes do bom gramado da Hoerskool Radenburg, em Joanesburgo.

Kaká e Luís Fabiano, que se apresentaram com lesões musculares, já treinam com os outros 21 jogadores e podem calçar as chuteiras num trabalho mais pesado, de enfrentamento, onde os 22 jogadores lutam por suas posições ou ao menos para mostrar ao chefe que podem entrar a qualquer momento no time titular.

O primeiro coletivo pode exibe também o provável dono da lateral direita, se Michel Bastos, que joga na França, ou Gilberto, que atua em Minas Gerais. Os dois laterais já disseram que tudo se definirá nos treinos.

5/28/2010

Luis Fabiano y Kaká se entrenaron con normalidad


28/05/2010 - Kaká se entrenó con normalidad el viernes y lució recuperado de sus lesiones en la primera práctica completa de Brasil en Sudáfrica en la antesala del Mundial.
Kaká se había estado entrenando por separado del plantel debido a una lesión en el muslo izquierdo, pero el viernes participó en todos los ejercicios y pareció no tener molestias físicas.
El técnico Dunga había dicho que Kaká sería llevado con calma en los primeros días en Sudáfrica pero aseguró que estaría listo para el debut de Brasil el 15 de junio contra Corea del Norte.
Brasil llegó el jueves a Sudáfrica, donde busca su sexto título mundial. El equipo se sometió a un ligero acondicionamiento físico en el hotel poco después de arribar, pero el viernes encaró su primera sesión en una cancha.
Kaká jugó esporádicamente con el Real Madrid este año debido a una lesión en la ingle y el problema en el muslo. La selección brasileña y el volante le han restado importancia a las lesiones, pero la falta de juego del futbolista provocó preocupación antes de la Copa Mundial.
"Kaká sabe lo que puede hacer y sabrá cuando esté completamente listo", dijo Dunga.
El delantero Luis Fabiano también llegó a Sudáfrica aquejado por una lesión muscular en una pierna que lo marginó del partido del Sevilla contra el Atlético de Madrid por la final de la Copa del Rey la semana pasada.
Fabiano participó en los ejercicios de ayer. “Tenemos que recuperar el aspecto grupal", comentó Dunga. "Ha pasado mucho tiempo desde que jugamos juntos, así que hay muchos detalles que tenemos que ajustar antes de que empiece el Mundial".
El último amistoso de Brasil fue en marzo contra Irlanda.
El timonel indicó que los dos próximos fogueos de la Verdeamarela serán de mucha ayuda. Brasil enfrentará el 2 de junio a Zimbabue en Harare y el 7 a Tanzani en Dar es Salaam.
"Trataremos de usar estos partidos para realizar ajustes y probar nuestras alternativas", dijo Dunga.

Sul-africano canta 'hits' da seleção e diz ser fã de Fabuloso

28/05/2010 - Richard Nonney é sul-africano, tem 42 anos, mas não está preocupado com o futuro da seleção de seu país na Copa do Mundo de 2010. Fanático pela seleção brasileira, e por Luis Fabiano, ele quer ver a equipe de Dunga com a taça no dia 11 de julho, em Joanesburgo. A "figura" foi à escola onde o Brasil treinou nesta sexta e, com portões fechados, passou a manhã espiando pelos portões para ver alguns de seus fãs.

Nonney estacionou seu carro na porta da escola. O automóvel levava bandeiras do Brasil e outros adereços. O mais curioso, porém, estava no som. O fanático colocou um CD com pagode e "hits" famosos da seleção.

- Voa, Canarinho, voa! - cantou o sul-africano, com sotaque acompanhando o som.

A música "Povo Feliz" foi cantada pelo ex-jogador Júnior, antes da Copa do Mundo de 1982. "Pra frente Brasil", clássico composto em 1970, por Miguel Gustavo, também foi tocado por Nonney, empolgado.

- 90 milhões em ação, pra frente Brasil. Salve a Seleção!

O torcedor batia no coração e se emocionava a cada som. E ensaiou sambadinhas ao colocar uma música de Zeca Pagodinho. A ligação do sul-africano com o Brasil é exclusivamente por causa do futebol. Ele jamais visitou o país, mas se encanta com a bola rolando.

- Meu time é o Brasil! É o melhor do mundo! E o Luis Fabiano é meu preferido, é um predador! - vibrou.

Luis Fabiano vence duelo interno, mas é superado por Taffarel


28/05/2010 - Na concentração da Seleção Brasileira na África do Sul, enquanto a Copa do Mundo não começa, os jogadores encontram a diversão no videogame ou no tênis de mesa. O atacante Luis Fabiano afirmou, através de seu Twitter (@luis_fabuloso), que venceu adversários de peso como Kaká e Daniel Alves, mas acabou derrotado pela experiência de Taffarel no ping pong.

- Bati o Julio (Baptista), o Kaká e o Daniel Alves no ping pong. Praticamente imbatível. Só perdi para o Taffarel, mas ele é fera - reconheceu o atacante do Brasil, enchendo a bola do goleiro do tetra.

Luis Fabiano é GOL | A promoção está a milhão participe também!!

28/05/2010 - A promoção para ganhar o CD oficial do Andermad autor da música Luis Fabiano é Gol está a milhão..e vários fãs do jogador estão enviando suas mensagens de incentivo.....

Participe você também, o processo é muito simples, basta enviar uma frase de incentivo para o camisa 9 da Seleção e torcer para a sua ser uma das finalistas...

Você poderá envair a mensagem pelo twitter para @ofabuloso ou se preferir para o email fcofabuloso@gmail.com

Confira abaixo algumas frases!

@zaza1986bnu: Luis Fabiano, tamo junto com vc (eu e mais de 190 milhões de Brasileiros), Confiamos em vc, nosso Matador!!Boa Sorte seleção!!!

RT @pedrinhomoura: Vamo fazer muitos gols nessa copa Fabuloso, confiamos em vc

RT @alcimara: Vai Fabuloso, + 1 título pra sua carreira! O q é seu tá guardado esperando a final! Seremos #hexa, e vc vai brilhar

RT @Sallesbernardo: força guerreiro vc já ganhou tantas vezes e essa sera mais uma , VAI FABULOSOOOOOOO !

RT @zehmauri: FABULOOSOOO QUE VOCE SEJA FABULOSO NA COPAA. PIADA SEM GRAÇAA , QUE VOCE FAÇA MUITOS GOLS!E AJUDE O BRASIL!

RT @raphael_biruta: Boa sorte na copa Fabuloo e qd vc fizer seus gols comemora Com os punhos cruzados para relembrar tempos de tricoloorrr!!

RT @Guih_R: Boraa Fabuloso, artilheiro da copa é voce e volta pro tricoloor xD

RT @sariinhaviana: agora é só torcer..#tamojunto!

RT @ElisonMhp: faz gol la fera e tem quer fazer o rebolation

RT @duducearamor: vai fabuloso arrebenta la na africa

RT @tucafajardo: pow fabiano esperamos muitos gols pelo nosso país irmão valeu e força brasil

RT @ThalysNobrega: vamo lá fabulosoOoO...acredito em vc.. essa copa é nossa..e o artilheiro será vc..Fé em DEUS..vamo lá BrasiL.rumo ao HeXa

RT @indedi: vamu fabuloso, traz a taça do mundo pra gente e volte pro tricolor pra ganhar novamente o mundo ..... luiiss fabiaano

RT @alcimara: Vai Fabuloso, + 1 título pra sua carreira! O q é seu tá guardado esperando a final! Seremos #hexa, e vc vai brilhar

RT @Fermassonetto: seleçao e fabuloso a formula certa para o hexa!!! força!!

RT @filipeamca: DAlhe FABULOSO TRAZ O CANECO PRA GENTE !

RT @Sallesbernardo: força guerreiro vc já ganhou tantas vezes e essa sera mais uma , VAI FABULOSOOOOOOO !

RT @JhohanDiego: vamos luis fabiano con ganas hacia el título de sudafrica

RT @Vitorock: ...OFABULOSO,10 GOLS NA COPA..PRONTO FALEI.....!BRASIL NELES..

RT @TorresUeber: venha com o caneco pra noisss

@pablohconde: Vamo lá "FABULOSO" seja o representante de peso do tricolor paulista na africa boa sorte e traz o hexa pra gente

RT @anselmosurf: Fabuloso boa sorte......Essa é a sua copa.

RT @wallas_carlos:Mesmo de longe, estarei acompanhando e incentivando o sucesso de luis fabuloso Quero desejar muita sorte para seleção.

RT @vitor_1970: luiz fabiano 190 milhões de brasileiros aguardando vc aqui no brasil com a taça na mão ....

RT @pinkhermano: Quando o trabalho é um prazer, a vida é alegria. Quando o trabalho é um dever, a vida é escravidão

Saudações Fabianistas*

Twittero Luís Fabiano Diz que Romario é seu grande ídolo

 28/05/2010 - Depois de Romario desejar boa sorte ha Luís Fabiano no Twitter, o Fabuloso diz que Romario é o seu ídolo e que é uma honra receber uma menssagem do baixinho.







Saudações Fabianistas*

O homem-gol da seleção brasileira | por Bruno Balacó

28/05/2010 - Um dos pontos altos do Guia da Copa África do Sul 2010, lançado hoje na edição do Jornal O POVO, é a entrevista exclusiva que fiz com Luis Fabiano, atacante titular da seleção brasileira.

Na conversa, o ‘Fabuloso’ se diz para pronto para o desafio vestir a 9 da Amarelinha.

Segundo ele, os mais de 30 jogos pela seleção lhe deram a “bagagem” necessária para suportar qualquer tipo de pressão.

Confira aqui a entrevista na íntegra

O POVO: Nos últimos dois anos, você se firmou como o novo camisa 9 da Seleção e virou um dos destaques do seu clube, o Sevilla. Que fator foi determinante para essa sua projeção no futebol?

Luís Fabiano: Foi sempre acreditar nos meus objetivos. Quando saí do Porto (ex-clube), havia muita desconfiança de que eu poderia não dar certo na Europa, mas eu insisti, acreditei e acabei vencendo aqui no Sevilla. Também houve muita dúvida sobre a minha capacidade de vestir a 9 da seleção, mas trabalhei muito e provei que tenho condições.

OP: O Brasil inicia agora uma fase de preparação para a Copa. Que detalhes você acha que a Seleção precisa ajustar para chegar mais forte neste Mundial?

Luís Fabiano: Acho que a seleção vem bem nos últimos anos, quebramos vários tabus, conquistamos títulos importantes. Acho que mais do que fazer ajustes, temos que tentar manter as coisas boas que fizemos nos últimos tempos. A principal é que todos no grupo mantenham o foco, o pensamento vencedor.

OP: É sua primeira Copa do Mundo e você desponta como a grande referência de gols do Brasil. Como se sente diante desse desafio?

Luís Fabiano: Realmente é um grande desafio, mas me sinto preparado. Jogar pela seleção não é fácil, existe muita pressão, temos que vencer todos os jogos. Mas já tenho mais de 30 jogos pela seleção, convivi com jogadores vencedores no ambiente da seleção e hoje posso dizer que tenho uma boa bagagem. Estou motivado, porque sempre sonhei em disputar uma Copa pelo Brasil.

OP: A partir do que você já viveu no grupo da Seleção, porque acha que o Brasil merece vencer a Copa do Mundo da África do Sul?

Luís Fabiano: Porque temos um grupo muito unido e determinado, muito focado nos objetivos.

OP: Quem você considera nosso maior concorrente ao título? Por quê?

Luís Fabiano: Hoje acho que a Espanha, que tem uma ótima seleção e a Argentina, que tem tradição e o Messi em grande fase.

OP: Além do título, quais são suas pretensões na Copa?

Luís Fabiano: Quero repetir as grandes atuações que tive nas Eliminatórias e na Copa das Confederações, fazer gols e ajudar o Brasil a conquistar o título. Acredito que o jogador só se sente realizado se vencer a Copa. A artilharia é secundária numa competição como essa.

Saudações Fabianistas*

5/27/2010

Luís Fabiano: o matador

27/05/2010 - No futebol, um momento pode ser decisivo, definir o futuro. Por isso, é fundamental aproveitar as chances para se dar bem no esporte. Com muito trabalho, Luís Fabiano foi atrás da sua oportunidade, aproveitou-a e conquistou a vaga de titular na Seleção Brasileira.

Artilheiro de campeonatos Paulista, Brasileiro e Libertadores, aos 29 anos ele é hoje também o maior goleador da equipe canarinho sob o comando de Dunga, com 19 gols marcados. No total, ele disputou 36 partidas pela Seleção, marcou 25 gols e conquistou dois títulos. O "Fabuloso" terá a velocidade da Mercurial Elite como aliada em seu primeiro Mundial.

Esse é o último post da série de perfis que publicamos com os 14 jogadores que patrocinamos e viajaram hoje com o restante da equipe para a África do Sul.

Boa sorte aos atletas e comissão técnica!

“TAMO JUNTO!” - Veja a Matéria Oficial (Clique Aqui)

Saudações Fabianistas*

"A Copa começou", diz Luís Fabiano na chegada à África do Sul

27/05/2010 - A primeira Copa do Mundo na vida de Luís Fabiano foi a de 1994, nos Estados Unidos. Ele diz que Romário era o seu ídolo e que assistiu pela TV a todos os jogos até a decisão contra a Itália.

Luís Fabiano lembra que o jogo foi emocionante e que comemorou muito com os amigos o tetracampeonato até de madrugada pelas ruas de Campinas.

Luis Fabiano e Kaká são muito amigos e cultivam uma afinidade que começou no São Paulo e prossegue na convivência da Seleção Brasileira.

Na Copa das Confederações de 2009, houve uma conversa entre os dois amigos, no hotel em Johannesburgo, em que o pentacampeão do mundo Kaká tentava antecipar para Luís Fabiano a emoção que ele sentiria ao disputar o seu primeiro jogo em uma Copa do Mundo.

- Luís, não tem nada igual. É emocionante, na hora do Hino não dá para explicar direito o que a gente sente.

Luís Fabiano ouvia atento, e esperançoso. Artilheiro da Seleção Brasileira, que conquistou o seu lugar desde o jogo contra o Uruguai, no Morumbi, pelas Eliminatórias, o atacante do Sevilha tinha consciência de que a oportunidade de realizar o sonho de menino estava próxima.

Convocado, e agora já treinando normalmente com o grupo, Luís Fabiano sabe que a hora está chegando. Diz que vai procurar marcar os gols que dele o torcedor brasileiro tanto espera, mas que o objetivo principal é coletivo, o título na África do Sul.

Saudações Fabianistas*

5/26/2010

Jogadores brasileiros "viciados" nas redes sociais

26/05/2010 - DUNGA PROIBIU UTILIZAÇÃO MAS HÁ QUEM NÃO RESISTA...

Depois de Del Bosque ter dito que não queria que os seus jogadores escrevessem nas redes sociais durante o Mundial, Puyol despediu-se logos dos seus seguidores no Twitter. Além do selecionador espanhol, também o de Inglaterra, Fabio Capello, e o do Brasil, Dunga, fizeram o mesmo pedido: nada de contactos com fãs pela Internet, por razões de privacidade e concentração.

Só que os jogadores de Dunga insistem em não cumprir a diretiva do selecionador. Kaká, Luis Fabiano, Felipe Melo, Julio César, Nilmar, Gilberto Silva e Grafite continuam a "twittar" e a escrever no Facebook. Por exemplo, ainda esta manhã, Kaká colocou um novo post no Twitter. "Robinho toca cavaquinho muito melhor que Baptista", escreveu numa das suas mensagens.

Bicampeão mundial deposita esperanças da seleção na África em Luis Fabiano

26/05/2010 - Para Pepe, parceiro de ataque de Pelé no Santos e campeão das Copas do Mundo de 1958 e 1962 com o Rei, o centroavante Luis Fabiano será o grande trunfo da seleção brasileira no Mundial de 2010.

Com a experiência de quem é o segundo maior artilheiro da história do time da Vila Belmiro - atrás justamente de Pelé -, o ex-atleta declarou em entrevista coletiva nesta segunda-feira em Curitiba que o jogador do Sevilla pode brilhar na África do Sul.

"Aposto muito no Luis Fabiano. É um jogador artilheiro, experiente. Joga no exterior há bastante tempo. Deposito nele muitas das esperanças na seleção."

Em relação aos outros atacantes convocados por Dunga para esta Copa, Pepe elogiou o santista Robinho, mas preferiu não comentar sobre Grafite e Nilmar.

Presidente diz que Luís Fabiano negou saída do Sevilla


O presidente do Sevilla, José María Del Nido, disse que conversou com o atacante Luís Fabiano nesta quarta-feira, e o brasileiro desmentiu o que foi publicado pelo jornal francês L'Equipe sobre sua provável saída do clube espanhol.

Del Nido diminuiu a importância das publicações, que davam conta que o camisa 9 da Seleção Brasileira estaria praticamente fora do Sevilla, e comentou que o diretor esportivo do clube, Ramón Rodríguez, também falou com Luís Fabiano sobre o assunto.

O jogador embarcou nesta quarta-feira de Curitiba para Brasília com a delegação da Seleção Brasileira, que encontrou o presidente Lula na capital federal, e já partiu para a África do Sul para a disputa da Copa do Mundo de 2010.

Lula diz: “Confio em você, garoto” ao Luís Fabiano

26/05/2010 - O encontro da seleção brasileira com o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, nesta quarta-feira, ainda antes do embarque para a África do Sul, não teve a mesma atenção a todos os jogadores, com Luis Fabiano, Robinho e Kaká sendo mais cortejados que os companheiros. O trio mais cobiçado de Dunga durante toda a estadia em Curitiba também teve mais 'mimos' do chefe da nação.
Os três tiveram mais tempo na companhia com Lula, que fez questão de dar um aperto de mão em todos os atletas, mas conversou por mais tempo e até abraçou, no caso do meio-campista do Real Madrid, com os três. Curiosamente, o 'trio de ouro' do treinador tem a ver com a sua lista, que não contemplou Ronaldinho Gaúcho, Adriano e até mesmo Paulo Henrique Ganso, o que aumentaria e muito o número dos chamados astros, àqueles com mais apelo do público.

Os jogadores e a comissão técnica do Brasil chegaram ao Palácio da Alvorada por volta das 15h, conforme a programação inicialmente divulgada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e pela assessoria da Presidência da República.

Assumidamente fanático por futebol, e corintiano, Lula viu as câmeras flagrarem ele dizendo “confio em você, garoto”, ao atacante Luis Fabiano, centroavante titular. Entre as principais estrelas da seleção, o goleiro Júlio César, campeão da Uefa Champions League pela Internazionale, era o jogador que parecia mais cansado. Comandante do time, Dunga, por sua vez, deu um rápido aperto de mão no presidente.

Além do chefe da nação, a primeira-dama Marisa Letícia da Silva também recebeu os jogadores da seleção e os cumprimentou. Ela deixou de lado o protocolo e vestia uma camisa do time canarinho autografada por vários atletas da equipe e com o número 2 às costas. Também estiveram na cerimônia o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e o ministro do Esporte, Orlando Silva Júnior, entre outros dirigentes, como Andres Sanchez, chefe da delegação, e o ex-goleiro Taffarel, agora consultor da CBF.

Após receber os jogadores em frente ao Palácio do Alvorada, Lula caminhou ao lado de Teixeira rumo à parte interna do palácio em uma conversa que parecia entusiasmada. Às 15h39, a seleção deixou o Palácio da Alvorada e rumou para o aeroporto, de onde embarca para a África do Sul, com a saída prevista às 17h, caso não ocorra nenhum atraso ou imprevisto.

Saudações Fabianistas*